Ela manda

Saio de outra vida. Saio composto. Bem vestido. Elegante e maduro.
Como num anuncio a perfumes.
Passa a passo na estrada molhada e brilhante. Mesmo no meio.
As mãos exibem luvas pretas, suspensas, longe do do quente do bolso forrado. Saio de outra vida. Mesmo a meio, e volto a pensar na minha jornada. Mesmo a meio.
Ao longe, quilómetros a frente, ecoa um motor, diesel.
Volto a apreciar o silêncio e o relógio que me acompanha. Que me envelhece. A minha viagem, mesmo a meio de tudo, difere de sentido. Tem vida própria e cenas de adultos. Cruza-se com o rebanho no pasto, mas insiste em pular a cerca. Ela não tem medo de lobos. Ocasionalmente até os ataca.
Cenas violentas, algumas chocantes. Algumas com sangue.
Algumas com graça.
Ele corre violenta como o galope de um cavalo, espezinhando à sorte outras vidas. Enfurecendo. Criando azar e outras metades. Mesmo ao meio.
Ela manda.
Não vale a pena contrariar, ou copiar pelo colega do lado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dinosaur Love by Harry Baker

O que é ser rude?

A Dieta - 1 - Abotoar é um verbo sério